DEH203 – Conforto Ambiental no Espaço Habitado

 

CARGA HORÁRIA: 45 horas (3 Créditos)

 

EMENTA:

 

Conceito, histórico e abordagens em conforto ambiental. Sensação e percepção dos estímulos sensoriais. Conforto térmico, conforto visual ou lumínico, conforto acústico, conforto olfativo. Princípios e variáveis envolvidas; resposta humana aos estímulos sensoriais. Métodos de medição e avaliação. Normalização em conforto ambiental.

 

BIBLIOGRAFIA:

 

ABNT (1987) NBR 10152 – Níveis de ruído para conforto acústico. Rio de Janeiro: ABNT.

ABNT (1991) NBR 5461 – Iluminação – terminologia. Rio de Janeiro: ABNT.

ABNT (1992) NBR 5413 – Iluminância de interiores. Rio de Janeiro: ABNT.

ABNT (2000) NBR 10151 – Avaliação do ruído em áreas habitadas visando o conforto da comunidade. Rio de Janeiro: ABNT.

ARAÚJO, V.M.D. (2001) Parâmetros de conforto térmico para usuários de edificações escolares no litoral nordestino brasileiro : o caso de Natal/RN. Natal.

ASHRAE. (1989). Handbook of fundamentals. ASHRAE.

BOYCE, P.R. (2003) Human factors in lighting. London: Taylor & Francis.

CLASSEN, C. et al. (1996) Aroma : a história cultural dos odores. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

CORBIN, A. (1987) Saberes e odores: o olfato e o imaginário social nos séculos dezoito e dezenove. São Paulo: Companhia das Letras.

COUTINHO, A.S. (1998) Conforto e insalubridade térmica em ambientes de trabalho. João Pessoa: PPGEP/UFPB.

FANGER, P.O. (1970) Thermal comfort: analysis and applications in environmental engineering. USA: McGraw-Hill.

FROTA, A. B.; SHIFFER, S.R. (1995) Manual de conforto térmico. São Paulo: Nobel.

GERGES, S.N.Y. (2000) Ruído: fundamentos e controle.

GIAMPAOLI, E. et al. (2001) Norma de higiene ocupacional: procedimento técnico avaliação de exposição ocupacional ao ruído. São Paulo: Fundacentro.

GIVONI, B. (1994). Passive cooling of buildings. Nova York: Van Nostrand Reinhold.

LAMBERTS, R. et al. (1998) Eficiência energética na arquitetura. São Paulo: PW Editores.

MENEZES, P.de L. et al. (2005) Biofísica da audição. São Paulo: Lovise.

Ministério do Trabalho (1978) NR – 15– Atividades e operações insalubres.

Ministério do Trabalho (1978) NR – 17 – Ergonomia.

MOORE, F. (1985) Concepts and practice of architecture daylighting. New York: Van Nostrand Reinhold.

MORAN, E. F. (1994) Adaptabilidade humana: uma introdução à antropologia ecológica. São Paulo: EDUSP.

NICOL, F. (ed.) et al. (1995) Standards for thermal comfort: indoor air temperature standards for the 21st century. London: E & F N Spon.

OKAMOTO, J. (1997) Percepção ambiental e comportamento. São Paulo: Ipis.

RUAS, A. C. (1999) Conforto térmico nos ambientes de trabalho. São Paulo: Fundacentro.

SALIBA, T. M. (2000) Manual prático de avaliação e controle de calor: PPRA. São Paulo: LTr.

SCHIFFMAN, H. R. (2005) Sensação e percepção. Rio de Janeiro: LTC.

SCHMID, A. L. (2005) A idéia de conforto: reflexões sobre o ambiente construído. Curitiba: Pacto Ambiental.

SOUZA, L.C.L. (2006) Bê-á-bá da acústica arquitetônica: ouvindo a arquitetura. São Carlos: EdUFSCar.

VIANNA, N.S.; GONÇALVES, J.C.S. (2001) Iluminação e arquitetura. São Paulo: Virtus.